sexta-feira, 21 de novembro de 2014

E quase...

E quase surtou novamente; viu o chão se levantar, os pés flutuaram. 
A dimensão do tempo e espaço caiu. O corpo suspenso por cordas parecia fazer tudo automaticamente como se fosse manipulado pelas mãos de alguém gigante e invisível que era uma cópia de si. Sensação curiosa essa que a impedia de sair andando até a ponte mais próxima e pular, ou puxar da gaveta as caixas de remédio e enfiar goela abaixo.

Ligou e disse que não estava bem, chorou foi intimada a se reerguer porque fazia muito bem isso todos os dias. Na noite anterior escutou do irmão do mesmo que só aconteciam certas coisas em sua vida porque deixava que as pessoas o fizessem. Bateu e deu tanto tapa na cara que só agora ante o caos feito pode sentar entre os destroços e perceber que é hora de colocar tudo em seu devido lugar.

Não destruirás e não deixarás que te destruam. Apenas buscará construir para si e para aqueles que amas. Deixará tudo livre e se libertará.



3 comentários:

  1. ola queridas borboletas , sigo vários blogs , pessoais , e etc , e isso vem me inspirando a quase 1 ano , mas nunca entrei de cabeça neste mundo :\ Porque nunca tive apoio de ninguém , sempre fui aquela girls inaceitável na sociedade , e senti que neste mundo eu sou mais do que uma menina estranha , eu sinto que mesmo não conhecendo vocês me sinto numa família , por isso criei coragem , e fiz um blog :) e gostaria que vocês dessem uma passadinha la , ! me ajudarem a continuar , :) e já estou seguindo teu blog <3

    ResponderExcluir
  2. Ah Noivinha...

    Queria eu ter uma mente brilhante como a tua, mas sou só mais uma gorda na multidão dos mortais!
    Houve um tempo que eu tentei sair do mundo louco que vivo, até que dei por fé que estou em um imenso labirinto sem saída.
    Há dias que eu simplesmente esqueço de comer, daí ouço aquelas frases de quem pensa mais em mim do que eu:

    -Não vi você comer nada hoje!
    -Eu comi a maçã que tu mesmo me trouxeras, lembra?
    -Lembro, isso foi anteontem Anita!
    -...

    A "sensação curiosa" se chama instinto de conservação, e evitou que a Noivinha experimentasse os perigos desnecessários da queda de uma ponte ou de tantos remédios.
    Viva a mãe natureza que transmite por si mesma sabedoria instintiva para proteger seus filhos mais amados!

    Tu já és livre Noivinha, o limite está na tua própria mente, supere-o e surpreenda-se com o deleite da liberdade!

    Beijos ;)

    ResponderExcluir
  3. Que decisão final muito iluminada :) Vou ver se bebo um pouco dessa inspiração.

    ResponderExcluir

Grata pelo comentário. Em breve será liberado para a visualização.