domingo, 8 de fevereiro de 2015

Angústia

Hoje até o gato fugiu de casa,
pois o que transpareço o próprio nome doí. 
Angústia...
Fonética essa que causa dor desde a palavra.
Silabas que transparecem em sua conjuntura eco... 
como um corpo que caí,
num poço sem fundo.
Onde o grito da vítima desistente cansada por não saber seu fim 
calada persiste.
Mas, não só isso, insiste em continuar sem saber seu fim,
No fundo
No fundo
No fundo,
de uma garrafa de Tinto seco, ou uma bagana quando a espuma amarga com cevada a faz matar o nome do sentimento que de tanta dor prefere não pronunciar.
Porem, em semiótica matar o signo não necessariamente elimina a essência. 
Pois, acredito que a rego toda vez que penso que estou envenenando a Erva-daninha.
É um grande jogo de sabotagem, 
auto mutilação.
Todos o fazem em níveis distintos.
Cada qual a sua maneira.
Cada qual em seu grau de angústia.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grata pelo comentário. Em breve será liberado para a visualização.