terça-feira, 14 de abril de 2015

A palavra certa é furto

Eu sinto saudades de mim mesma, por isso voltei.
Para mim, e por mim.
Não quero no escuro.
O breu dos traços que não são meus e não me pertencem,
Eu quero,
A flor que o destino me roubou porque, eu deixei a bolsa
aberta.
Uma carteira desmatelada, largada no lado do cinzeiro com o RG que encharca com o gelo do copo e se desmancha.
De quem é a culpa?
Se não das minhas mãos bobas que esquecem a bolsa aberta?



3 comentários:

  1. Que a perda não tenha sido grande. Não se sinta mal, muito menos culpada.
    Somos obrigados a viver numa noia horrível da violencia, do roubo, do furto, da malandragem, me irrita tanto isso.

    ResponderExcluir
  2. Ah Noivinha...

    Quando somos displicentes com coisas banais nos tornamos ladras de nós mesmas.

    Beijinhos e boa semana :)

    ResponderExcluir
  3. A culpa não é de ninguém.
    Exceto se alguém te fez mal quando tu não podia se defender.

    ResponderExcluir

Grata pelo comentário. Em breve será liberado para a visualização.