segunda-feira, 25 de maio de 2015

Espectadores de si

                        " Fulano João Coisa diz: - O que é o amor? Tenho muito a escrever, mas não tenho."



Você diz que me ama, e também foram as últimas palavras que colocou frente a minha fronte. Após alguns dias caímos na mesma frequência daquele antigo vício que conhecemos, 
eu me questiono se é por auto-confiança ou por falta de.
Sei que é uma definição difícil, porque toda vez que sou colocada posto prova àquilo que aproxima a te perder o chão sobre meus pés estremece.
Não sei se platônico ou físico, mas a memória da sua figura transpassa minha epiderme.
Teu nome ecoa nos momentos mais improváveis em lapsos freudianos invisíveis aos paralelos
Que muitas vezes somos nós
Ciclo
Algoz

                      

6 comentários:

  1. Oi querida.... Quanto tempo.
    Estou aqui só para lhe responder o que me perguntou la no meu blog. Depois volto para me atualizar sobre os seus dias, saudades de você.
    Pois bem, sim, eu sou diagnosticada como Border. Meu ex psiquiatra não gostava de falar sobre o diagnóstico, ele se focava nos sintomas, ou seja, eu nunca tive um tratamento totalmente voltado para o meu transtorno. Durante um tempo eu fiz uma espécie de terapia com ele mesmo, pois não quis ir na psicóloga que ele me indicou. Eu tive umas 3 ou 4 psicólogas até meus 12 anos e todas elas me abandonaram. Quando elas viam que o caso não era fácil elas entravam de férias ou simplesmente sumiam. E borders não lidam bem com o abandono. Hj em dia eu estou mais aberta a tentar um psicologo e, com certeza, tenho vontade de fazer um tratamento voltado pra isso, que leve em consideração as mudanças e com um profissional que não desista de mim assim tão fácil. E que não me trate que nem uma criança, ou sendo ignorada ou sendo pressionada. Tb não gostava da abordagem do meu psiquiatra, parecia perda de tempo. O ruim é não ter dinheiro pra procurar um tratamento especializado e o sistema público esta saturado. Meu caso não é grave o suficiente para que eu tenha atenção pelo o que parece. Eu estou psicologicamente sedada, tem uma barragem, que foi o que eu consegui com meus ultimos quase 5 anos de tratamento. Ou seja, o comportamento perigoso esta amarrado. A questão é que eu sei que isso não vai durar muito. Eu não acho que o tratamento foi adequado, essa barragem, que impede que eu transborde, não esta me fazendo bem. E uma hora ela vai romper.
    É isso...
    Eu prometo que volto para me atualizar ok?
    Beijos
    E até mais.

    ResponderExcluir

Grata pelo comentário. Em breve será liberado para a visualização.